Utilizamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência como utilizador do nosso website. Ao utilizar este website, concorda com a sua utilização. Permitir cookies Desativar cookies Política de cookies
Ative os cookies para uma melhor experiência como utilizador do website. Permitir cookies Política de cookies
Novidades - sobre os nossos produtos, serviços e empresa

PERGUNTAS FREQUENTES

Informação sobre pilhas

PESQUISA PERGUNTAS FREQUENTES

Como é o interior de uma pilha?
Basicamente, uma pilha é o resultado de um processo eletroquímico que converte a energia química armazenada em energia elétrica. O processo tem lugar entre o ânodo, o cátodo e o eletrólito, os três principais componentes de uma pilha. O ânodo é normalmente de metal, o cátodo de óxido metálico, e o eletrólito é uma solução que facilita o fluxo de iões. Consoante o tipo de pilha, a solução pode ser alcalina, zinco-ar, zinco-carbono, entre outras, para as pilhas primárias, Ni-MH (níquel-hidreto metálico) ou Ni-CD (níquel-cádmio), no caso das pilhas recarregáveis.
Como é que devo eliminar as pilhas alcalinas?
As pilhas devem ser colocadas nos pilhões situados nas ruas ou em lojas. Nunca deite as pilhas para o fogo, já que estas podem explodir.
Como é que encontro a pilha alcalina VARTA adequada?
Tendo em conta a abundante oferta existente, é sempre difícil encontrar a pilha certa. As gamas VARTA foram criadas para simplificarem a sua escolha. Há dois tipos de pilhas VARTA: pilhas alcalinas (primárias) e recarregáveis (Ni-MH).

As pilhas alcalinas VARTA são pilhas primárias, que não podem ser recarregadas. As pilhas primárias são úteis quando vão estar sujeitas a longos períodos de armazenamento. A gama de pilhas alcalinas VARTA oferece uma enorme variedade de produtos, com funções específicas para satisfazer da melhor forma as suas expectativas.
  • As pilhas Max Tech para dispositivos de alta tecnologia e exigências flutuantes, tais como leitores de MP3.
  • As pilhas High Energy para dispositivos com um elevado consumo de energia, tais como telecomandos ou relógios.
  • A gama Longlife destina-se a dispositivos simples, com um baixo e constante consumo de energia, tais como lanternas ou despertadores.
  • As pilhas profissionais de lítio VARTA são indicadas para câmaras digitais e analógicas. São recomendadas para um uso profissional devido ao seu alto rendimento.
Além disso, através da utilização de símbolos, estamos a oferecer-lhe a melhor comunicação para assim facilitar a sua escolha. Não hesite e observe os símbolos dos nossos produtos!

Como é que funciona uma pilha?
As pilhas podem parecer simples, mas o fornecimento de energia acumulada é um processo eletroquímico complicado. A corrente elétrica sob a forma de eletrões começa a fluir no circuito externo sempre que um dispositivo – por exemplo, uma lâmpada – é ligado. Nesse momento, o material anódico, o zinco, produz dois eletrões por átomo, num processo denominado oxidação, deixando atrás iões de zinco instáveis. Depois dos eletrões transmitirem energia à lâmpada, voltam a entrar no cátodo da pilha, onde se combinam com o material ativo, dióxido de manganésio, num processo denominado redução. O processo combinado de oxidação e redução não podia ocorrer numa pilha sem um condutor interno que transporte os eletrões de volta até ao ânodo, equilibrando o fluxo externo de corrente. Este processo é levado a cabo graças ao movimento dos iões de hidróxido de carga negativa presentes na solução aquosa denominada eletrólito. Todos os eletrões que entram no cátodo reagem com o dióxido de manganésio, formando MnOO-. Depois, o MnOO- reage com a água do eletrólito. Nesta reação, a água divide-se, libertando iões de hidróxido no eletrólito e iões de hidrogénio que se combinam com o MnOO- para formarem MnOOH. O circuito interno termina quando os iões de hidróxido produzidos nesta reação no cátodo vão para o ânodo sob a forma de corrente iónica. Aí, combinam-se com os iões instáveis de zinco, que foram formados no ânodo quando os eletrões foram inicialmente transmitidos para o circuito externo. Isto produz óxido de zinco e água. Fica assim concluído o circuito (que é necessário para obter um fluxo de energia constante) e a lanterna acende-se.
Como é que o frio afeta as pilhas?
As pilhas não conseguem transmitir muita energia quando estão frias. Por exemplo, no inverno, a lanterna que tem no seu carro vai dar uma luz mais fraca. Deixe as pilhas aquecerem, até estarem à temperatura ambiente e experimente-as novamente antes de as substituir.
Como é que se reciclam as pilhas?
Quando as pilhas já não podem ser usadas, têm de ser recicladas. A maioria das pilhas pode ser reciclada.

As pilhas alcalinas são recicladas pela indústria metalúrgica e a fim de reaproveitar o aço, o zinco, o manganésio férrico, etc. As pilhas Ni-Cd/Ni-MH são usadas para reaproveitar o cádmio e o níquel. As baterias de iões de lítio (Li-Ion) são recicladas a fim de reaproveitar o cobalto e as pilhas de botão para reaproveitar o mercúrio.

Em 2006, a UE aprovou a diretiva sobre pilhas, cujo um dos objetivos é aumentar a taxa de reciclagem de pilhas. Atualmente, cerca de 70% das pilhas recolhidas são recicladas no consolidado mercado de reciclagem europeu. Esta taxa irá aumentar nos próximos anos.
Onde é que se devem armazenar as pilhas?
As pilhas devem ser guardadas num lugar fresco e seco. Evite temperaturas elevadas, que reduzem consideravelmente o rendimento das pilhas. Guarde as pilhas na embalagem original enquanto não as usar.
Podem-se combinar pilhas usadas e novas num único dispositivo?
Não. Nunca combine pilhas usadas e novas num único dispositivo, já que estas podem rebentar. Substitua todas as pilhas de um dispositivo ao mesmo tempo.
Podem-se guardar as pilhas durante longos períodos de tempo dentro dos dispositivos?
Não. As pilhas devem ser removidas de qualquer dispositivo que se armazenar durante longos períodos de tempo.
Podem-se usar vários tipos de pilhas com um único dispositivo?
Não. Nunca combine tipos de pilhas diferentes, tais como alcalinas, alto desempenho e recarregáveis num único dispositivo. As pilhas podem rebentar.
Porque é que não se devem combinar pilhas usadas e novas?
O desempenho de um dispositivo que funciona a pilhas é limitado pela pilha mais fraca contida no mesmo. Uma pilha velha ou fraca pode causar um mau desempenho, mesmo se as outras forem novas ou estiverem totalmente carregadas.
Quando é que devo retirar as pilhas do meu dispositivo?
As pilhas devem ser removidas dos dispositivos/equipamentos quando:

  • O dispositivo não vai ser usado durante alguns meses
  • As pilhas estão gastas (para evitar que estas rebentem)
  • O dispositivo está a ser carregado numa tomada de corrente (CA)

Quem é que inventou a pilha?
O físico italiano Alessandro Volta desenvolveu a primeira pilha eletroquímica em 1748. O termo «bateria» aplicado aos dispositivos eletrónicos surgiu com Franklin, no mesmo ano, para descrever um conjunto de várias pilhas eletroquímicas. Em 1791, enquanto trabalhava na Universidade de Bolonha, Luigi Galvani descobriu que o músculo de um sapo se contraía ao entrar em contacto com um objeto metálico. Este fenómeno tornou-se conhecido por eletricidade animal. Motivado por estas experiências, Volta deu início a uma série de ensaios com zinco, chumbo, estanho e ferro, como elementos positivos (cátodo); e cobre, prata, ouro e grafite, como elementos negativos (ânodo), e inventou a primeira pilha, conhecida como pilha voltaica, em 1800.
A SUA PERGUNTA
Introduza a sua pergunta aqui* :
Opcional: Enviaremos a nossa resposta para este endereço de correio eletrónico
* Campos obrigatórios
Enviar pergunta